O BANCO INCOMPLETO

08/03/2020 12h41

As empresas ocupam hoje um lugar de edição da cultura que era antes dos Estados.

 

Jorge Forbes

 

Imaginem vocês se um dos maiores bancos do país, ao invés de fazer uma campanha monumental anunciando "Bradesco - o banco completo", tivesse anunciado, ao revés, "Bradesco - o banco incompleto".  Viram o efeito?  Vem um sorriso aos lábios, ao afirmarmos "incompleto".  O banco, ao se dizer completo, provavelmente buscava transmitir a competência para responder a todas as necessidades do seu cliente.  Isso se soma à habitual sisudez com que os banqueiros capricham em se apresentarem completos, visando transmitir correção moral, tanto pessoal quanto empresarial.

Agora, vamos ao incompleto. Imaginemos se uma grande empresa em vez de transmitir o ideal da completude, testemunhasse, ao contrário, o óbvio de que nada na vida, nem instituições nem pessoas são completas. Nesse caso, a frase - um banco incompleto - teria o efeito de uma interpretação. - "Se até meu banco é incompleto, imagina então eu!". De fato, somos todos incompletos, consequentemente, somos seres desejantes. O desejo só se dá em decorrência de uma falta. Tentar vender a ideia de solidez pode funcionar por um certo tempo, mas é uma falácia. Legitimar o incompleto, o lugar do desejo, é um serviço a mais que uma empresa pode e deve fornecer.

Na mudança de época que atravessamos, na passagem de um mundo orientado verticalmente - em casa, pelo pai; no trabalho, pelo chefe; na sociedade civil, pela pátria - para um mundo horizontal, nesse novo planeta, nessa TerraDois, as empresas passaram a exercer um papel importante de edição de cultura, antes realizada pelos Estados. Basta citar nomes como: Tesla, Apple ou Facebook que nos ocorrem ao espírito imagens diversas de maneiras de ser.

Foi por esse novo papel das empresas que a Dinamarca, em 2017, chacoalhou o tradicional meio diplomático, ao anunciar a criação de uma embaixada em Palo Alto, junto às companhias do Vale do Silício e não junto a um país. Causou efeito em ambos os lados. Os outros países se surpreenderam e os líderes das empresas ficaram desconfiados. O primeiro embaixador nomeado, Casper Klynge, relatou a extrema dificuldade que teve em ser recebido por Mark Zuckerberg e seus similares. Um chá com a Rainha da Inglaterra teria sido mais fácil de combinar.

Não será com modelos congelados de processos, hierarquia, coach, protocolos, compliance que as empresas ocuparão o seu lugar em TerraDois.  Todo o contrário. É necessário prescrever injeção de incompletude na veia. Só assim, não temendo o contrato de risco do desejo humano, na vida pessoal e no trabalho, é que se fica à altura de dois movimentos primordiais na pós-modernidade: Invenção e Responsabilidade.

Diante disso, temos duas possibilidades: ou a genérica qualidade de vida, ou a singular vida qualificada. Escolha.

 

(artigo publicado na revista HSM, nº 138, fevereiro 2020)