Bingo Infernal

23/07/2009 22h25

Jorge Forbes

Deu bingo na cabeça. Despeça-se o homem, fechem todos os bingos e não se fala mais no assunto. Esta é, provavelmente, a expectativa do governo com as medidas de grande e ineficiente impacto que explodem como pólvora molhada. O PT está sofrendo do mal que infringiu a seus adversários: está sendo cobrado, mais além do provável crime ocorrido, por uma falha grave na impoluta vestimenta de lisura moral, que exibiu na colheita de votos.

Esqueceu as palavras bíblicas, revividas em samba famoso, do atirem a primeira pedra, e agora sofre uma saraivada.

Ainda só começando o processo de Brasília, os jornais já anunciam reflexos nos bingos do Rio Grande do Sul e problemas de contratação por agência de publicidade do governo, do marido da prefeita de São Paulo.

Isso não deve parar se não houver uma mudança radical de paradigma: crimes são casos de polícia, responsabilidades podem ser apuradas sem infindáveis extrapolações e partidos políticos talvez aprendam que quererem ultrapassar a graça divina, convencendo mais devotos que Cristo, pode lhes valer as chamas de um inferno.