Está Todo Mundo Indignado

23/07/2009 21h44

por Jorge Forbes

Está todo mundo indignado, vocês notaram? Parece aquele funk que dizia ‘tá tudo dominado’. E os indignados não escondem seu orgulho, chegando a haver concurso de mal-estar: uma enxaqueca versus uma úlcera; um quase enfarte versus um desmaio. O que os indignados não sabem é que a única coisa para a qual servem tão nobres sentimentos é para eles mesmos, narcisistas mal disfarçados em defensores da causa pública, dizendo-se indignados por estarem convencidos de suas dignidades. Qual o quê!
Analisemos dois filmes atuais: o do indignado e falastrão Michael Moore e o do discreto Stephen Spielberg. Moore, depois de Tiros em Columbine, produziu Fahrenheit 9/11. Com uma câmara na mão e muita pança ele invadiu a casa de Charlton Heston, para nos provar como o Moisés luta pela defesa armada da sociedade, não se dando conta, ele Michael, da sua própria violência ao perseguir aquele alquebrado Hur das nossas infâncias, tropeçando escada abaixo...

...E Spielberg? Comparemos Terminal com Fahrenheit. O bom senso vai dizer que o primeiro é uma comédia ligeira e o segundo, uma denúncia séria e necessária. Ah, como o bom senso nada mais é que cumplicidade de ignorância, deixa entender Bachelard...

(trechos do artigo publicado no jornal O ESTADO DE SÃO PAULO, caderno "Aliás", de domingo, 14 de novembro de 2004, que pode ser lido na íntegra na seção "Escritos", "Artigos" deste site).