Extimidade

23/07/2009 20h39

Jorge Forbes

"... a minha intimidade não é 'eu mesmo'. Penso em um verso de Rimbaud que diz: 'eu é um outro'. Quanto mais você se aproxima de "si mesmo", buscando a verdade da sua conduta, mais se depara com o fato de que 'si mesmo' é um outro. Para um psicanalista, é fácil notar no cotidiano. O máximo da intimidade é, como disse Lacan, a extimidade.

Ele propõe o conceito para substituir a intimidade impossível, falsa. Percebe que, necessariamente, a pessoa se orienta e se decide no cálculo coletivo, ou seja, pelas conclusões que tira em consideração aos outros. Além disso, mostra que o raciocínio inclui o tempo.

Contra a idéia de que, se eu tiver mais tempo, vou compreender melhor, diz ser na precipitação do tempo que devo concluir..."

(trecho do livro "A Invenção do Futuro: Um debate sobre a pós-modernidade e a hipermodernidade", ed. Manole, p. 33-4)