O Filme Mostra

23/07/2009 22h45

Jorge Forbes

O cinema é um índice interessante dos pontos sensíveis das mutações sociais e do desejo. Ele fala a muitos e para isso seduz, encontrando o ponto nevrálgico da sensibilidade da época.

Examinemos dois filmes que chegam do Estados Unidos e fazem sucesso: “Encontros e Desencontros” e “O sorriso da Mona Lisa”. O primeiro é ambientado em um hotel de Tóquio, onde se conhecem um velho ator e uma jovem esposa de um fotógrafo, ambos desinteressados da parafernália de uma tecnologia excessiva. O segundo, passa-se em uma escola de meninas, de Massachussets, em 1954, mostrando uma bela professora de artes revolucionando o discreto charme das burguesinhas em flor.

Um e outro questionam a equação que vem se impondo, nestes tempos hiper-modernos, do problema-solução: dado o problema, busque a solução. Mona Lisa diria: não há problema que uma falta de solução não resolva.