Provocações Psicanalíticas I:

23/07/2009 21h35

AS POSSIBILIDADES DA PSICANÁLISE

por Jorge Forbes

  • A Psicanálise do Século XXI não é mais a mesma Psicanálise do Século XX concebida por Freud: passamos do Homem traumatizado ao Homem desbussolado.
  • Quando Freud criou a Psicanálise, ele o fez em uma sociedade que estabelecia padrões claros e rígidos de comportamento. Se uma pessoa não conseguisse atingir o objetivo esperado, é porque tinha algum problema que ficara mal resolvido no percurso de sua vida. A psicanálise era o tratamento do passado e a cura, se conhecer melhor.
  • Freud propôs um modelo para a estruturação psíquica que ficou muito conhecido: o “Complexo de Édipo”. Esse modelo é baseado na orientação vertical das identidades, é pai-orientado.
  • A psicopatologia analítica da clínica Freudiana foi estabelecida a partir do modelo edípico. É de uma simplicidade genial: quem negocia com o “pai” para chegar a uma satisfação possível é o neurótico; quem despreza o “pai”, ocupando seu lugar, fazendo uma versão do “pai”, é o perverso; finalmente, quem não consegue estabelecer uma articulação paterna é o psicótico.
  • O “Complexo de Édipo” pode ser entendido como um software que Freud inventou para conectar o homem ao mundo. Este software, muito mais estável que os atuais de Bill Gates, funcionou por 100 anos, convenceu-nos que o mundo era mesmo edípico.
  • Realizamos, no momento, uma análise além do Édipo. Na sociedade globalizada, a estruturação dos laços sociais não se dá da mesma forma que anteriormente. Surgem novas soluções e novos problemas.

(Leia a seqüência desse texto na seção "Escritos", "Artigos" desse site - disponível também em pdf para download, como apresentado nas XVI Jornadas Clínicas da Escola Brasileira de Psicanálise - Rio de Janeiro, em 2 de julho de 2005).