Ridículas palavras recalcadas

23/07/2009 20h07

Jorge Forbes

A base do romance familiar do neurótico é, diante da decepção sofrida com sua família de origem, constituir uma outra mais valiosa, mais adequada aos padrões ideais.

O escritor criativo, por seu lado, não tem tanta certeza em um ideal. Ele se inventa um lugar e assume a responsabilidade por sua escolha. A particularidade de suas opções permite aos leitores fazerem o mesmo.

Difícil dizer que, à semelhança de um escritor, o analista leve o analisando a se deleitar com seus devaneios. Entretanto, eles se aproximam no ponto em que uma análise também modifica as auto-acusações, a culpa e a vergonha. No lugar da culpa sempre referida a um outro, uma análise conduz à responsabilidade sobre seu próprio gozo.

“Coma seu dasein”, fórmula em que Lacan expressou a tarefa do analisando, quereria dizer que nenhuma culpa, arrependimento, castigo ou promessa poderia liberta-lo desta dura obrigação, a de roer o osso da sua existência.

Não há uma história que explique uma vida, pois a vida excede todas as histórias.

(do livro: Psicanálise ou Psicoterapia)