Um minuto de silêncio

23/07/2009 18h55

Jorge Forbes

.... Penso na vergonha de nossa cumplicidade acomodada, que hoje chora, mas amanhã já esqueceu. O pior não tem limite. A continuarmos espectadores indignados e defendidos por cercas elétricas, carros blindados, ruas privativas, seguranças fantasiados, o esquartejamento público de um menino de seis anos vai passar, e algo pior, impensável hoje, ocorrerá em breve. ....

... É ilusório ficar esperando pelo futuro melhor do Brasil. O Brasil é o País do futuro porque aqui o futuro nunca chega. É o presente que deve nos guiar e não a utopia; seja a positiva, do sonho, seja a negativa do pesadelo e do medo. ......

.... Talvez no silêncio repentino dos tamborins de nossas escolas de samba. Por um minuto só, na avenida, compartiremos uma mesma vergonha: somos brasileiros e o Brasil não precisa ser assim, se nós quisermos.

(trechos do artigo publicado no jornal O ESTADO DE SÃO PAULO, em 18 de fevereiro de 2007)