Sapere Aude - Jorge Forbes, entrevistado no Programa SAIA JUSTA - GNT, em 17 de outubro de 2007

17/07/2009 10h45

Resenha de Teresa Genesini

No programa SAIA JUSTA do GNT, de 17 de outubro de 2007, Mônica Waldvogel coloca duas questões a Jorge Forbes:

  1. quando a gente pode dizer às pessoas o que acha delas?
  2. há um limite para isso, ou não tem jeito, a vida é assim?

Jorge Forbes responde:
As pessoas querem ouvir a verdade do outro sobre si mesmas porque sempre acham que a verdade do outro é uma mentira sobre elas.
E assim fazendo, ouvindo do outro, não ouvem a si mesmas. Kant colocou, no dístico do iluminismo, a frase de Horácio “Sapere aude” – ousar saber. Ou seja: ouse saber você sobre você mesmo, naquilo que você consegue saber. É difícil.
Quando não se quer saber de si mesmo, pergunta-se para o outro: O que você acha de mim? Se esse outro achar algo ruim, afasta-se dele.

A resposta do outro pode ser apresentada de formas:

  1. produto de um raciocínio
    Quando o outro raciocina sobre alguma coisa, geralmente fala de uma forma moralista. “Você tem que agir como eu penso ou como eu ajo.”
  2. raciocínio do amor
    “Você não sabe, mas você me ama.”

Existe outra forma de tocar as pessoas, que não é pelo raciocinar, é pelo ressoar. É como diz o termo: você toca o outro. Ou, como dizem os moços: “tá ligado?” Você não tem certeza do efeito imediato, mas a longo termo, é muito efetivo.
Tá ligado?