São Paulo, 17 de setembro de 2004
nº 5

Prospectiva. A psicanálise não é preventiva, nem programática. Ela é prospectiva: "interpreta e possibilita o futuro, no presente da lógica do desejo" (Forbes). Por isso, ainda que a quinta newsletter do Projeto Análise traga notícias de uma vasta colheita realizada, e de sua celebração, ao expor os frutos das intervenções do Projeto na comunidade analítica, na psiquiatria, no universo intelectual, na empresa, na universidade, culminando com a recepção de Gilles Lipovetsky no Brasil, essa newsletter, como a psicanálise, insiste: mostra pontos de inflexão, hub-points. Cada texto permite ver, mais que cômodos resultados, campos abertos aos próximos trabalhos. Da fartura de agosto, a primavera que se inicia não é tempo para a siesta.
 
Leia em www.projetoanalise.com.br
 
   
  A psicanálise do homem desbussolado.   Seminários da Feiticeira, com Gilles Lipovetsky.  
 
Ele viu falirem as hierarquias, perdeu seus ideais. No mundo globalizado, não sabe que caminho seguir, que futuro escolher. A psicanálise está pronta para tratar esse homem atual? Em sua conferência para o IV Congresso da Associação Mundial de Psicanálise, Jorge Forbes responde "sim", desde que a psicanálise seja, ela mesma, mutante: mantendo a estabilidade de seus princípios, valha-se de standards leves, ad hoc, que operem como decisões responsáveis do analista, e não como normas legadas pela tradição ou justificadas em critérios de "cientificidade" não-psicanalíticos.
 
Mais de 2000 pessoas, ao todo, assistiram às quatro conferências de Gilles Lipovetsky na CPFL, em Campinas, e na FAAP, em São Paulo. Nesse ínterim, pouco mais que trinta juristas, filósofos, psicanalistas, jornalistas, conversaram com ele em um seminário na Praia da Feiticeira, em Ilhabela, por um final de semana. Leia a sinopse desse encontro, um debate de Lipovetsky com Tercio Sampaio Ferraz Jr, Chaim Samuel Katz e Jorge Forbes, que contou também com a participação de Glória Kalil e Luiz Eduardo Borgerth.
 
  Psicólogo, profissão polícia?   Em busca da experiência rara.  
 
Acaba de ser divulgada uma proposta de reforma do Código de Ética do Psicólogo no Conselho Federal de Psicologia que preconiza o dever de denúncia à polícia na possibilidade de certas condutas criminosas do paciente. Sua votação acontecerá em dezembro. Leia as reações do psicanalista Sérgio Laia (BH), presidente da Escola Brasileira de Psicanálise e do professor Eduardo Bittar (SP), livre-docente de direito da Universidade de São Paulo. Para Jorge Forbes, essa proposta normativa, assim como os esforços pelo controle dos tratamentos psi por meio de protocolos clínicos, mostram a orientação que a psicologia brasileira arrisca assumir através de sua ordem profissional, e que ele expressa no título de seu editorial: "Psicólogos, marchem!"
 
A ética da psicanálise pode alcançar as empresas. Como prontidão para contingências, sensibilidade para mudanças, olhar de tendências, ela permite abertura à singularidade dos laços sociais. Martin Frankenberg acompanha as pesquisas de Jorge Forbes no Projeto Análise e tira conseqüências para o turismo no Brasil. Conhecedor das peculiaridades locais do país, ele propõe viagens únicas, uma atenção ao detalhe dos anseios do viajante, e excede a massificação da indústria turística.
 
  Um curso de psicanálise, na psicologia.   Ron Pompei can't be obvious.  
 
O ensino de psicologia atual, massificado na hiper-escala – diria Lipovetsky – das universidades, enfrenta o desinteresse dos alunos pelas questões formativas densas. Com esse diagnóstico, a professora Silvana Marques tece um programa interno ao currículo de psicologia, para apresentar aos alunos questões recentemente pesquisadas no Projeto Análise. Ao final de um ano, o resultado que obteve: uma turma capaz de perceber o descompasso entre a ideologia dos remédios da ciência e as solicitações do desejo. Seu relato da experiência é “O percurso da completude ao incompleto”.
 
Chegando de Nova Iorque no próximo dia 30 de setembro, o arquiteto e designer Ron Pompei, parceiro do Projeto Análise, participará, a convite de Jorge Forbes, do programa "Vivendo além dos limites", da CPFL, em Campinas. Seu trabalho tem a marca de uma solução ética do nosso tempo: re-concebendo a ambientação das lojas para criar espaços sociais, culturais, ele captou a tendência de tornar a relação estandardizada de "consumo" em um encontro criativo. O artigo "Ron Pompei can't be obvious" examina a novidade de seu trabalho como um sinal positivo às preocupações dos psicanalistas.
 
 


Prepare-se para a reunião da EBP em BH, “A Utilidade Social da Psicanálise: A Regulamentação em Questão”, acompanhando os precedentes deste movimento dos analistas contra a “normalização” do campo clínico.
Como Táki Cordás trata anorexias e bulimias; como os psicanalistas o escutam?
A Editora Manole lançará um livro reunindo os dois primeiros Seminários da Feiticeira: o inaugural, de 2003, e o deste agosto de 2004, com a participação de Gilles Lipovetsky.
  A Editora Best Seller ("Você quer o que deseja?") agora integra a Record, a maior editora brasileira. O negócio foi formalizado em 20 de agosto.
Nestes 16, 17 e 18 de setembro, no Grande Hotel de Campos do Jordão, 50 intelectuais brasileiros pensam "os desafios do país nos próximos 50 anos", no evento "DNA Brasil".